Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» NPCs Spelljammer!!
Sab Out 20, 2018 4:20 pm por Felipe

» O Universo Spelljammer, da lenda às construções!!
Sab Out 20, 2018 4:01 pm por Felipe

» Informações e agrupamentos pela região.!!
Sab Out 20, 2018 1:01 pm por Felipe

» Barcos e navegação 1 - Batalha Naval!!
Qui Out 18, 2018 10:40 am por Felipe

» Barcos e navegação 3 - Armas e Equipamentos de Bordo!!
Qui Out 18, 2018 10:38 am por Felipe

» Furiosos: Elencarnë!!
Qua Out 17, 2018 6:21 pm por Felipe

» Apanhador de Sonhos - Stats!!
Qua Out 17, 2018 5:39 pm por Felipe

» Flying Imp
Qua Out 17, 2018 5:12 pm por Felipe

» Flying Imp - Stats!!
Qua Out 17, 2018 4:52 pm por Felipe

Outubro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Os membros mais marcados


Passeio da Dama Negra!!

Ir em baixo

Passeio da Dama Negra!!

Mensagem por Felipe em Qui Jan 11, 2018 8:21 pm

É o mais sagrado Templo de Eilistraee. Fica situado abaixo de Waterdeep, a nordeste de Skullport, em Undermountain.



Geografia

Localizado perto de Skullport, no terceiro nível de Undermountain muito abaixo de Waterdeep, o Passeio serve como quartel-general para os agentes fiéis de Eilistraee, com muitos portais para outras partes do mundo, mas também acessível através de túneis em Underdark para missões de reconhecimento.

O Templo é composto por quatro enormes cavernas.
Uma delas contém muitos prédios que servem de moradia aos agentes da fé.
Outra caverna, chamada Caverna da Canção, que funciona como um grande anfiteatro usado para canções e celebrações dedicadas a Eilistraee.
A terceira caverna serve de quartel general para as sacerdotisas, e a quarta é mais usada pelos guardiões do templo como depósito, armorial e base de operações.
Uma larga abertura conecta a Caverna da Canção com o Monte Eilistraee, onde está erguida uma grande estátua da Dama Negra, esculpida diretamente nas rochas (na verdade, a estátua é esculpida com a aparência de Qilué).
Próximo do templo principal fica o Salão da Cura (antes um templo de Moander, que foi destruído por clérigos de Tyr), que serve como refúgio e tenda aos feridos do templo e todos aqueles resgatados pelas Damas Escuras (incluindo aventureiros perdidos em Undermountain).
Ao norte do Salão da Cura existe uma pequena caverna, destino de um ponto de teleporte de caminho único vindo do Sexto nível de Undermountain, usado para levar aventureiros ao templo. Sacerdotisas do passeio curam e recebem qualquer um que chega ao Salão, e são conhecidas por oferecer seus cuidados e amizade a qualquer indivíduo (que não esteja mal-intencionados) de raças que sejam mais comumente encontradas como amigáveis do que hostis.

História
Quando Qilué ainda era uma criança, Eilistraee (na forma de uma estonteante mulher-drow de mais de 1,80m) apareceu para ela, pedindo a ela que liderasse seus amigos drows de boa índole, e dando a todas as crianças drow espaas cantoras sagradas (espadas preciosas que cantam quando desembainhadas, capazes de proteger seus usuários do medo, desespero e efeitos de fascinação/dominação mágicas) para ajudar a protegê-los em seu dever. Mais tarde, uma importante Missão os esperava, quando a Dama negra novamente se manifestou, pedindo que destruíssem os Fossos de Ghaunadaur, um enorme poço conectado ao Terceiro nível da Undermountain de Halaster, de onde o deus das aberrações planejava atacar a superfície. Rodeada por uma aura dourada, um sinal dos favores de Eilistraee, Qilué liderou seus campeões a partir do assentamento drow de Buiyrandyn na missão. Com a proteção da Dama Negra, eles abriram caminho até o Fosso, onde Qilué enfrentou um avatar de Ghaunadaur. Eilistraee e Mystra usaram o corpo da Escolhida ao mesmo tempo como conduíte de seus poderes, e o fogo-prateado queimou o corpo do Deus-maligno, até que fugisse por sua vida, drasticamente reduzido em poder. Os servos restantes do Deus fugiram com ele, e o fogo divino fechou e selou de uma vez por todas a passagem usada na fuga. Então, Qilué entrou em colapso, e seus seguidores ouviram a voz de Eilistraee avisando que Ghaunadaur foi apenas afastado, não permanentemente derrotado, e que um dia ele tentaria voltar. A voz disse:

Vocês devem fazer uma vigília aqui, próximos da superfície, e devem estar sempre vigilantes contra o retorno de Ghaunadar. Pois uma enorme cidade dos homens se erguerá acima deste lugar, e se quiserem ficar em paz com a humanidade e seus amigos elfos da superfície, este lugar servirá perfeitamente a vocês.
— Eilistraee, para Qilué Veladorn e seus amigos.

O Fosso foi preenchido com destroços e as cavernas ao seu redor, demolidas (O Fosso fica ao Norte de Skullport e Oeste do Passeio de Eilistraee. A única passagem deixada intacta passa pelo Monte Eilistraee, partindo de seu topo). Nos anos seguintes, obedecendo à ordem da Dançarina Negra, Qilué e os outros Escolhidos de Eilistraee (o título que deram a si mesmos) começaram a patrulhar regularmente a região, procurando sinais de atividades de Ghaunadarran (o que levou outros habitantes daquelas terras a referir-se ao lugar como Passeio, mesmo que mais tarde estes Escolhidos usassem o nome para referir-se ao templo que construiriam no lugar.

Nos anos seguintes à vitória, as Damas Negras (clero de Eilistraee) continuaram lutando um número cada vez maior de batalhas (especialmente contra os seguidores de Ghaunadaur). Depois de anos de conflito, temendo muitas mortes entre os seus, os Escolhidos decidiram construir um complexo templo que pudesse ser usado como fortaleza onde pudessem se proteger de ataques e onde pudessem celebrar suas vitórias em nome de Eilistraee.

Em 1355 CV, o Ano da Harpa, a construção do Passeio começou, em uma área isolada do Enclave Sargauth, que foi expulso de Skullport quando os entrepostos de Netheril colapsaram séculos atrás. Depois de alguns conflitos com os habitantes de Skullport, os Escolhidos de Eilistraee e as várias facções do Porto da Sombra chegaram a um acordo de cooperação.

Apesar da construção continuar, o templo já era completamente habitado até o final de 1357 CV. Depois do templo estar terminado, os Escolhidos de Eilistraee continuaram a patrulhar os arredores dos Salões de Halaster, mas sempre tendo um refúgio seguro para se abrigar.

Em 1361 CV, os seguidores de Eilistraee atacaram a base de operações da companhia Horda do dragão, pelo seu envolvimendo com o rapto e comércio de crianças drow como escravos. As Damas Negras assaltaram um navio ancorado em Skullport, resultando na morte do dragão da profundezas Pharx e na destruição de seu consórcio. No mesmo ano, Qilue acompanhou Liriel Baenre a em sua viagem a Rashemen e no processo, Liriel (que era uma sacerdotisa de Lolth a contra-gosto) sem querer atraiu a atenção da Rainha Aranha ao Passeio. Lolth destruiu as proteções que Qilué e outras sacerdotisas prepararam durante anos.

Em 1368 CV, o passeio sofreu um violento ataque de cultistas de Ghaunadaur que lideraram um terrível assalto ao templo que durou meses de campanha, antes dos assaltantes serem enfim rechaçados.

Em 1370 CV, o passeio foi atacado por um novo culto de Ghaunadaur. Os Sombras da Noite, seguidores de Vhaeraun e depois da "Dama mascarada" (seguindo a morte de Vhaeraun pelas mãos de Eilistraee, e sua tomada do portfólio do irmão), foram enviados para se infiltrar em várias casas drow que servissem a Ghaunadaur, o que levou vários cultistas a localizar portais que levassem ao templo. Rapidamente tomando vantagem disso, os seguidores do Olho Ancião começaram a atacar, tentando libertar o avatar aprisionado de sua divindade. Entretanto, o Símbolo de Insanidade que Qilué colocou em sua prisão enlouqueceu muitos dos seus cultistas. Apesar disso, os assaltantes eram apoiados por um exército de gosmas, e dizimaram uma boa parte da população do Passeio. Na dura batalha, quase todos os protetores da Canção e cavaleiros da Canção Negra foram mortos, bem como a maioria das sacerdotisas, seguidores, e aliados que estivessem por ali habitando ou visitando.

A batalha também causou o rompimento dos selos da prisão de Ghaunadaur, permitindo ao seu avatar escapar. Foi depois enganado a atacar a si mesmo por um Sombra da Noite, que se sacrificou em nome da Dama Mascarada, fazendo o avatar cruzar um portal rumo a um plano repleto de "labirintos infinitos", morrendo no processo mas mantendo o avatar atacando a si mesmo eternamente.

Após o evento conhecido como Segunda Catástrofe, em 1480 CV, Eilistraee conseguiu voltar à vida, e manifestou-se aos seus devotos como avatar, começando a retomada das atividades do passeio. Depois do retorno de Eilistraee e sua aparição próximo de Waterdeep, muitos seguidores viajaram para a cidade. Enquanto muitos tentavam encontrar um lugar para um novo templo em Waterdeep, o passeio foi secretamente restaurado.

Habitantes e Organização

Muitas raças vivem na comunidade de fiéis. Eles são Escolhidos de Eilistraee (todos clérigos, chamados de Damas e Senhoras Negras, que eram então acólitos, não aceitos completamente como sacerdotisas), escravos foragidos, drows resgatados (ou indivíduos em geral), ou aventureiros e trabalhadores (como a halfling Meryl Traçatudo, a cozinheira do templo).

Eles são liderados pela Suma-Sacerdotisa Qilué Veladorn, a mais nova das Sete Irmãs e Escolhida de Mystra. Ela comanda as sacerdotisas ao mesmo tempo que conduz missões para fora dot emplo, em assuntos que requeiram sua atenção. Segunda em comando é a Senhora-da-Batalha-do-Passeio, Rylla. Ela lidera ambas as forças, as guerreiras-dançarinas, Cavaleiras da Canção negra (que são treinadas em caçar demônios), e os Protetores da Canção. Os rapazes são os protetores do templo, alguns armados com uma das 20 Espadas Cantoras, cujo primeiro dever é proteger o Passeio e patrulhar o Fosso de Ghaunadaur para prevenir o retorno do Deus-Gosma. Seu comandante é Elkantar Iluim, consorte de Qilué, enquanto Iljrene Ahruyn é seu sub-comandante, a Mão dos Protetores. Seus números incluem drows, humanos, anões e halflings. Em 1361 CV, antes do assalto à Horda do Dragão, eram 24 drow (9 females), 9 anões, 27 humanos (12 females), e 4 halflings.

Liriel Baenre, Fyodor, e o dragão das profundezas Zz'Pzora lutaram com os Protetores da Canção contra a Horda do Dragão em 1361 CV.

Uma das maiores honras que pode ser dada a um guerreiro do Passeio é a posse de uma das 20 espadas cantoras sagradas. Estas espadas são espadas mágicas poderosas, magicamente duráveis e afiadas, além de seu zumbido, que serve de defesa contra ataques mágicos ou psíquicos. O "canto" da espada atravéssa e liberta a mente de seu usuário. Às vezes, elas gemem pela aproximação de ameaças. Com sua semi-consciência, podem ser ordenadas a se calar.

Frequentadores Notáveis
Qilue Veladorn, Chosen of Eilistraee and one of the Seven Sisters
Elkantar Iluim, consorte de Qilué e comandante dos Protetores da Canção
Iljrene Ahruyn, sacerdotisa de Eilistraee descrita como "pequena bonequinha delicada de sacerdotisa"
Rylla, Senhora-da-Batalha

Obrigações Diárias
A maior parte dos afazeres do templo envolvem o cultivo de alimentos, construções e reparos domésticos, patrulhar as cavernas do templo e seus arredores (procurando por possíveis ameaças ou aventureiros perdidos ou feridos), praticar diplomacias, ajudar e curar qualquer um em necessidade que possam encontrar (a maior parte aventureiros de todas as raças — que se aventuram em Undermountain). Os mais abençoados tornam-se agentes de Qilué, scolhidos para aumentar sua influência em Underdark e na superfície. Como outros Eilistraeeanos, os Escolhidos de Eilistraee trabalham para promover o maior ideal da Dama, que é promover a convivência pacífica entre os drows e as outras raças de Faerûn, mas são pouco usuais por ter um templo nos Subterrâneos, permitindo a si mesmos poucas ocasiões ou "pilhagens" sob a Lua (as terras da superfície). Eles mudam seus portais para o templo para atender suas necessidades (também pouco usuais para clérigos de Eilistraee, que costumam viver em harmonia com seus arredores, deixando poucos rastros de sua passagem), porque seus deveres incluem seguir as instruções de Eilistraee sobre prevenir o retorno de Ghaunadaur, que eles chamam de "sua grande Missão".
Pelos portais indo e vindo do Passeio, os escolhidos também conduzem missões em outros assentamentos drow, procurando por aqueles que precisem de sua ajuda ou queiram ajudá-los (ou ser recrutados) a juntar-se à fé em Eilistraee, ou ajudar no comércio e no trânsito entre os drows e os povos da superfície.

Rotinas
O trabalho dos seguidores de Eilistraee tem prioridade sobre os ritos templários, ma seus deveres diários normalmente seguem uma rotina. Seu ciclo (dia) começa com um encontro informal de todos os residentes do templo, para banhos e conversas (exceto aqueles que estiverem em sentinela). Qilué ou qualquer uma das Damas negras vai conjurar o Fogo-Lunar de Eilistraee e começar a cantar O Coro, uma oração coletiva envolvendo todos os presentes. O Coro já foi ouvido em Skullport como "um murmúrio aumentando e diminuído, ecoando desde muito longe". Com O Coro, todos os moradores do templo são convidados a juntar-se ao Concílio, um encontro de opiniões e liturgias conduzido pelas Damas Negras. Todos os participantes devem falar com honestidade e sem segredos, e sua palavra tem o mesmo peso. Quando o Concílio etsiver formado, os fiéis pedirão os conselhos de Eilistraee por liderança, e as atividades diárias vão começar.

Aproximadamente 4 horas depois (a despeito de qualquer situação), outro encontro acontece na Caverna da Canção: o Grande Coro, um dos maiores rituais dos servos de Eilistraee, "uma canção nova a cada dia, conduzida por uma clériga sênior que guiará a canção com grande empenho e devoção". O Coro pode causar o surgimentos de feixes de luz da Lua, cuja intensidade aumenta conforme as emoções dos cantores. Se a intensidade assemelhar-se ao verdadeiro brilho da Lua, Eilistraee determinou que todos os participantes e seus pertences sejam transportados a um lugar onde a lua esteja brilhando em seu ápice. Desta forma, eles podem ser transportados do local do Coro para qualquer lugar da superfície onde a lua brilhe intensamente, e é desta forma que os servos de Eilistraee viajam pela superfície em suas missões.

Depois do Coro, os feitores do templo têm uma pequena pausa, um momento em que clérigos e sacerdotisas podem ensinar e aprender dança e canto, até o Chamado de Eilistraee ser ouvido: uma melodia fantasmagórica, cantada por uma das Damas Negras sêniors, conduzindo os fiéis de volta à Caverna da Canção. Um segundo comando, e um novo Concílio começa, e os escolhidos se dispersam em grupos menores (conhecidos como “mesas”) para tomar o desjejum e desfrutar da companhia uns dos outros. A refeição é seguida por um curto período de leituras, que dura até o final do dia.
Durante este tempo, os escolhidos também fazem suas orações mais importantes: a Canção da Chama Solitária. Esta canção é conduzida quando as sacerdotisas sentem o impulso de fazê-la. Elas dançarão ao redor da chama de uma vela, cantando em homenagem à deusa e dançando livremente conforme o ritmo da música que se apresenta, até que a chama seja extinta. interromper esta dança é considerado o mais rude dos atos, talvez estrangeiros possam ser perdoados pela transgressão, por não conhecerem a tradição. Normalmente as sacerdotisas buscam lugares reservados, como alcovas e passagens pouco usadas para realizar suas Canções da Chama. Enquanto o fazem, "o Passeio fica preenchido com o eco sinistro de uma dúzia ou mais destes solos de uma vez, preenchendo as passagens".

Relações
Os Escolhidos de Eilistraee visitam Skullport com pouca frequência. Mas eles têm certa influência lá. Eles ajudam aventureiros e escravos a escapar dos apuros e problemas com os grupos de poder do lugar, o que lhes rendeu o apelido de "libertadores de escravos". Isto atraiu o rancor de Gildar Blackthrone e do mercador de escravos Ahmaergo. Eles também têm problemas com os caçadores de drows de Malakuth Tabuirr e com os carcereiros de Zstulkk Ssarmn. Mas também têm aliados lá. O Meio-drow Ithlyn serve como contato leva-e-traz com a superfície. Os escolhidos visitam de tempos em tempos o Traça-de-Livro-Gordo por suprimentos e Kaitlynn das Três Irmãs Veleiras por velas.

Além dos vários escravizadores, os Escolhidos também têm outros tantos inimigos perigosos e seus opositores, os servos de Ghaunadaur. Os seguidores de Moander também lhes são hostis (talvez por seu principal templo ser usado como Salão de Cura pelas Damas Negras).

Uma vez que esteja sob ataque, o Passeio contrata aventureiros de Skullport para defender o templo, além de outra infinidade de missões, normalmente pagando em gemas. Aqueles que caem nas graças das Damas negras do templo não costumam ser bem-vindos em Skullport, onde a população odeia os chamados “protetores de escravos”. Entretanto, com as recompensas oferecidas pelas damas negras, muitos aventureiros aceitam as missões assim mesmo. A despeito da inimizade dos drows seguidores de Lolth e Vhaeraun, muitos negociadores drows que vêm a Skullport não agem contra seus pares do Passeio, porque as clérigas protegem seus negócios, oferecendo grandes armazéns, além de guias drows por toda Underdark.
avatar
Felipe
Admin

Mensagens : 4170
Data de inscrição : 12/10/2015
Idade : 40
Localização : São José dos Campos - SP

http://ospilaresdodestino.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio da Dama Negra!!

Mensagem por Felipe em Sex Jan 12, 2018 6:56 pm

De presente pro More
avatar
Felipe
Admin

Mensagens : 4170
Data de inscrição : 12/10/2015
Idade : 40
Localização : São José dos Campos - SP

http://ospilaresdodestino.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio da Dama Negra!!

Mensagem por Felipe em Qua Jan 17, 2018 10:28 am

A Caverna onde fica o Passeio, com suas sessões distintas.



avatar
Felipe
Admin

Mensagens : 4170
Data de inscrição : 12/10/2015
Idade : 40
Localização : São José dos Campos - SP

http://ospilaresdodestino.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Passeio da Dama Negra!!

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum